Gratuidade injusta

É incrível como alguns assuntos são recorrentes e voltam a assombrar a população todos os anos, como se fosse um filme reprisado por falta de coisa melhor nas prateleiras.

Assim é com as enchentes, a falta de chuva, a violência urbana, os hospitais lotados, bla, bla, bla.

Um deles, a tarifa de ônibus.

Ligou-me um jornal eletrônico perguntando para quanto eu achava que iria a tarifa, se ultrapassaria os 3 reais e assim adiante.

Claro que não sei. Para saber, precisaria entrar na chamada caixa preta do sistema de transporte coletivo e verificar as planilhas (as verdadeiras, claro), os gastos de combustível, material de limpeza, pneus, folhas de pagamento, tributos, remuneração de diretores, montante do Fundo para Melhoria do Transporte (se é que tem e se é que houve depósito).

Como esses dados não estão abertos ao público, que se contenta, ano após ano, com migalhas de informação, nem a Prefeitura é capaz (ou tem coragem) de mostrar à população.

Enquanto isso, o que há de prático é o seguinte.

A tarifa é cara porque há um imenso, um despropositado, um pornográfico gasto com gratuidades de estudantes, de carteiros, de policiais, de bombeiros, de idosos, de doadores de sangue que pesam sobre a tarifa que é paga pelos demais usuários.

Eu sempre disse que empresário e Município nada perdem, não têm prejuízo com as gratuidades, pois é a Maria, o Zé, o Paulo, a Izabel, gente simples e sem privilégios, que pagam essa imensa conta, por uma simples razão: eles precisam do transporte e não podem deixar de comprar (ou carregar) seus bilhetes.

Repito: Izabel, Zé, Maria, Paulo, Joana pagam com seu salário mínimo as viagens dos filhos e netos de vereadores, deputados, bancários, advogados, gente que absolutamente não precisa dessa gratuidade, ainda menos sob o sacrifício de trabalhadores comuns.
Quando a Prefeitura e os políticos deixarem o conforto de seus gabinetes com ar condicionado e examinarem com honestidade e sensibilidade a questão das gratuidades, conferindo o benefício somente a quem realmente dele precisa (como já fazem em Curitiba, Goiânia, Fortaleza, etc.), a tarifa baixará substancialmente e aliviará a situação dos mais humildes.

Então, vamos estimular esse debate, ao invés de ficar lamentando o aumento de tarifa que, certamente, virá sobre nosso lombo.

Em tempo: não ando de ônibus mas adquiro passes para meus empregados de casa e do escritório.

Anúncios