Poemas

Sem rumo

Se o samba te prende na rua

Se o rumo se perde no olhar

Se o lar já não tem aconchego

Se a noite não quer acabar

 

É o amor que se foi, meu amigo

É o amor que não tem mais lugar

Se o lar já não tem aconchego

É na rua o seu novo lar

 

Uma dança que não foi dançada

Num caminho que nunca termina

Sob as luzes de mais uma esquina

Espalhando-se pela calçada

 

É o amor que se foi, andarilho

É o amar que não tem mais valor

Se o lar já não tem mais apelo

Para lá você não quer voltar

(12/2/11)

Brumas

Que velas são essas se não vejo mar?

Qual será o destino desses barcos tontos

Desses barcos todos, nesse navegar?

De onde vem a música se a minha lira

Há muito descansa no berço do olvido?

Que asas são essas sobre o meu dorso

Se há tanto tempo não sei mais voar?

Que paixão é essa dentro de meu peito

Se o corpo cansado já não sabe amar?

Que oração é essa que a alma sussurra

Se já não conjugo o acreditar?

Por que tanta pergunta, ó mente inquieta

Se já não tenho respostas pra te convencer?

Desfaz-se a bruma aos primeiros raios

Do sol que me aquece o interior

São as velas de um barco que achou seu destino

São asas de um pássaro que achou o seu rumo

São preces de um náufrago, um sobrevivente

Que voltou a crer em seu Criador

Música e lira, lembrança e poeta

Magistral concerto celebrando a vida

Não importa onde, não importa quando

Só o que importa, afinal de contas,

É proa voltada prum lugar qualquer

É seguir voando pra qualquer lugar.

(CG 12-2-11)

Nos Domínios do Amor

CrisViduani / João Campos

Só nos domínios do amor

A eternindade pode caber em um minuto

Só nos domínios do amor

O mundo pode caber em um abraço

Só nos domínios do amor

O universo pode caber em seus braços
É um incrível mistério

Que eu não entendo

É parte céu, é parte inferno

Parte é verão, parte é inverno

Isso sempre me tira do sério
Só nos domínios do amor

Num pingo d’água se esconde a tempestade

Só nos domínios do amor

A plebe tem a verdadeira majestade

Só nos domínios do amor

O todo sempre será a metade
Incrível mistério

Que eu não entendo,

É parte céu, é parte inferno

Parte é verão, parte é inverno

Isso sempre me tira do sério

Procura

João Campos / CrisViduani
Vaga minha letra pelo mundo

Apenas verso buscando inspiração

Vivo no silêncio mais profundo

Como pecado fugindo à oração
É tanto céu, é tanto mar

Tanta luz, tanto amar

Minha letra, sua canção

Se casando como arroz e feijão

É tanta busca, é tanta cor

Tanta beleza, tanta flor

É um jardim diante de mim

E a vida vai se abrindo, enfim
Sem o meu verso em sua música

Sou jardim sem flor, sou agonia

Sem sua musa em meu poema

Sou trovador sem tema ou melodia
É tanto céu, é tanto mar

Tanta luz, tanto amar

Minha letra, sua canção

Se casando como arroz e feijão

É tanta busca, é tanta cor

Tanta beleza, tanta flor

É um jardim diante de mim

E a vida vai se abrindo, enfim
Minha letra quer a sua música

Como o fiel procura a redenção

Minha letra busca a sua música

Não me negue a eternidade desse dom

É tanto céu, é tanto mar

Tanta luz, tanto amar

Minha letra, sua canção

Se casando como arroz e feijão

É tanta busca, é tanta cor

Tanta beleza, tanta flor

É um jardim diante de mim

E a vida vai se abrindo, enfim

A GANG

Ouvi um lamento a esse dia

Que foi comemorado por dez anos

Como se esse dia fosse maior

E mais importante do que o evento

Que por dez anos ele motivou.

Ora, de onde vem esse lamento?

Ontem, por um dia

Que dez anos não me pagam

Ouvi trinar as minhas golondrinas

Em maravilhosa profusão de

Chicletes, chocolates, coca-cola,

Beijinhos melados, caras sujas e pitos insinceros

“Não faça isso, não faça aquilo…”

De onde, pois, vem o lamento?

Que são dez anos perto desse festival?

“Faça pipi para dormir!”

“Você ama o papai?”

“Não brigue com a maninha”

“Não coma doces antes do almoço”

“Não ponha o dedo aí”

“Não mexa no violão…”

Um massacre na minha solidão

De onde vem, então, esse lamento?

Um fim de casamento ou

Início de um verdadeiro amor

Que não precisa de tetos

Porque tem o céu como limite?

Hoje de manhã, sozinho novamente,

Papéis de bala pelo chão,

Riscos na parede, canetas e papéis

Espalhados ao acaso e ao momento…

Silêncio doído… que fazer?

Por que, portanto, o lamento?

Foi-se o casamento, hediondo,

Que matou, aos poucos, nosso amor

Ficaram as nossas andorinhas

Para elas e para sua revoada,

O tempo não tem nenhuma importância

Sequer sabem ler o calendário!

Por que, então, esse lamento?

Vamos comemorar, sim, a vida que

Renasce, gloriosa, a cada dia.

(15 de fevereiro era aniversário de casamento. 22.2.88)

Anúncios

4 Respostas

  1. meu querido amigoooooooooo, fiquei maravilhada em ver esta foto sua acima, pois a ultima vez em que estive em seu escritorio não sabia quem estava mais gordo se era eu ou vc, agora vendo vc magrinho so tenho que lhe dizer PARABENS e muita SAUDE, so falta uma foto mais alegrinha, um lindo sorriso no rosto. Tambem quero lhe parabenizar pelos poemas lindos de sua autoria, sabia la a tras quando vc tocou em meu casamento que tocava maravilhosamente bem, mas não deixou a desejar com seus lindos poemas. Felicidades mil a vc

    Beijos
    Angela

  2. primeiramente…obrigada pelo maravilhoso livro..PROVOCAÇOES…………MUITO BOM……..e a dedicatoria melhor…………….mas náo passe saudades das viagens….vamos juntos………..tem sido sempre muito maravilhosas……….este ano…vamos em junho a miami,orlando,las vegas e nova york…………e ao ler seus poemas aqui…….fiquei encantada…..acho que vale a pena um livro………..pois ha tantas besteiras por ai……..e as suas continuam lindas…apareca…tambem tenho saudades..

  3. Pena que João Campos tenha esquecido de verdadeiros amigos de juventude

  4. Essa última”Gang” molhou meus olhos! Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: