Inferno brasileiro

É chegada a hora de os empresários apanhados na operação Lava a Jato escolherem o Tribunal onde querem ser julgados. Uns pedem o Rio de Janeiro, onde os crimes teriam sido cometidos. Outros querem juízes de primeira instância nas suas cidades de origem, espalhadas pela Bahia, Espírito Santo, Minas e Paraná.

Como advogado, seguindo as tendências observadas nos últimos anos, eu pediria que o julgamento fosse mesmo para o Supremo, onde as planilhas de condenação são discutidas e elaboradas para diminuir os anos de pena, o que possibilita a liberação dos mensaleiros em poucos meses, como é o caso de Zé Dirceu e Delúbio Soares, todos em casa gozando as bem-aventuranças de um generoso sistema judicial.

Ali todos terão maiores chances de sucesso em suas defesas.

Embora o Brasil todo esteja comemorando, ao menos nas redes sociais, a revogação da autorização dada a José Dirceu para viajar “a serviço” para São Paulo, na verdade, é tudo para inglês ver, pois o Ministro Barroso apenas pediu para ser “comunicado” da viagem, da qual ficou sabendo pelo site do Judiciário.

Se as informações vierem, Zé Dirceu será liberado para suas viagens. Escrevam aí para futura conferência.

Não costumo usar palavras inadequadas ou de baixo calão quando escrevo ou falo, mas uma piada antiga reflete muito bem o que ocorre com o nosso sistema penal.

Alguém teve de escolher entre o céu e o inferno. Pediu para fazer uma visita aos dois ambientes antes de tomar sua decisão. Foi ao céu e viu aquele cenário de calmaria, anjos tocando harpa sentados em montinhos de nuvens. Nada acontecendo. Aquele tédio. Não gostou.

No inferno, viu aquele monte de gente se divertindo, pulando e dançando e gostou imediatamente. Já estava batendo o martelo quando o anjo explicou que havia um porém. Cada morador daquele condomínio infernal tinha de consumir um balde de merda por dia.

Ao ver o futuro morador pensativo e hesitante, tranquilizou-o:

– Não se preocupe. O inferno é governado pelo PT. Assim, ninguém acaba cumprindo a pena. Quando tem merda, falta balde. Quando tem balde, falta merda.
O Ministro Barroso disse que está liberando Dirceu, Delúbio e companhia para ficar em casa porque nesta fase da pena eles deveriam ir para um sistema especial de albergue, que não existe no País. Se não existe o estabelecimento e eles não podem mais ficar na cadeia, melhor mandá-los para casa. Simples assim. Quando falta balde…

Nem se argumente com o zeloso ministro que neste exato momento, no país todo, milhares de presos estão na cadeia, após cumprirem a totalidade de suas penas, porque os burocratas ainda não registraram esse fato em seus computadores…

A verdade é que neste país demora-se muito a tomar uma decisão honesta – veja o que está acontecendo com Lula, seu filhinho milionário, Dilma e tantos outros corruptos denunciados pelos seus sinais exteriores de riqueza nas páginas da imprensa – e quando ela é tomada, entram em cena os arquitetos da impunidade, diminuindo penas para possibilitar progressão, etc.

Eu não teria dúvida de escolher o Supremo para ser julgado. Impunidade na certa.

É neste divertido e tenebroso inferno que vivemos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: